Cultivando a literatura em tempos de fake news

Já imaginou ler quantos livros quiser pagando quase nada? Confira o Kindle Unlimited com Mais de um milhão de eBooks para você ler onde e quando quiser, clicando aqui.

A competição dos escritores com a enxurrada de notícias falsas e lugares-comuns é tema de crônica número 300

O tema literário tem sido um desafio constante para os escritores, principalmente diante da enxurrada de notícias falsas e lugares-comuns que disputam a atenção das pessoas. Nesse sentido, o autor da crônica número 300 reflete sobre a competição entre a literatura e a vulgarização das informações nas redes sociais.

Desde 1977, quando o autor iniciou sua jornada digitando textos em uma máquina de escrever, muita coisa mudou. Naquela época, a ideia de espalhar notícias falsas era impensável, e o jornalismo era praticado com mais critério e desconfiança geral.

Para o autor, resgatar a porção imaginativa inerente ao cotidiano é importante para beneficiar a opinião e não para distorcer a realidade. Ele estudou os mestres do gênero para saber como deveria proceder e entregar um texto que tivesse um pé na literatura e outro no jornalismo. Segundo Carlos Drummond de Andrade, é da notícia e da não-notícia que se faz a crônica.

Leia também:  Literatura Infanto-Juvenil Estimula Desenvolvimento em Escolas Municipais

Como forma de ilustrar sua reflexão, o autor menciona o heróico rei grego Leônidas e seus trezentos guerreiros na batalha de Termópilas contra o exército persa liderado por Xerxes, além dos trezentos guerreiros selecionados por Deus de Judá através do método singular empregado por seu servo Gideão.

A literatura sempre buscou no mito, na fantasia e na retórica seu modo de dar vida ao produto artístico. No entanto, com a vulgarização daquilo que foi inventado sobre o relato dos fatos pelas redes sociais, tudo se transforma em uma confusão generalizada e o artístico corre o risco de virar notícia ou meme anedota digital.

O autor conclui que seu trabalho é uma mistura de literatura e jornalismo, mas que atualmente ele precisa competir com a enxurrada de notícias falsas e lugares-comuns que disputam a mente das pessoas. A reflexão sobre como os tempos mudaram é um convite à valorização da literatura e do jornalismo crítico em detrimento das informações distorcidas e das falsas notícias.

Leia também:  Secec investe em prêmios literários para jovens
Título: O desafio da literatura em tempos de notícias falsas
Autor: Claudemir Pereira
Temas abordados: Literatura, mito, História, competição dos escritores com notícias falsas e lugares-comuns
Reflexão: A literatura sempre buscou no mito, na fantasia e na retórica seu modo de dar vida ao produto artístico, mas atualmente precisa competir com a enxurrada de notícias falsas e lugares-comuns que disputam a mente das pessoas.

Com informações do site Orlando Fonseca – Claudemir Pereira.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *